22 de março de 2017

Livros | Harry Potter and The Cursed Child


Depois de muito adiar (sinceramente, nem sei porquê), hoje venho falar-vos do livro Harry Potter and the Cursed Child (em português, Harry Potter e a Criança Amaldiçoada). O livro corresponde ao texto da peça de teatro com o mesmo nome, em exibição no Palace Theatre, em Londres e foi escrito pela J.K. Rowling, pelo John Tiffany e pelo Jack Thorne. Eu tenho a edição em inglês, capa dura, publicada pela Little, Brown e que comprei no Continente por cerca de 22€, quando foi lançado.



Sou Potterhead desde o 8º ano, por influência de um amigo e este foi o primeiro livro da saga que li, porque ainda não encontrei a edição ideal para ler e ter na estante de forma bonita (manias da minha cabeça). Mas os filmes vejo sempre que posso e o flashforward do último, sempre me deixou curiosa e com a cabeça a imaginar mil e uma possibilidades de continuação para a história. Como Potterhead que sou, juntei-me ao Pottermore, assim que foi lançado, como Ravenclaw e agora, no novo site, como Slytherin. Quem diria que o facto de amadurecer me faria mudar de casa?



Então, para quem não sabe, a história começa 19 anos depois do fim de Harry Potter e os Talismãs da Morte e tem como protagonistas Albus Severus Potter e Scorpius Malfoy, filhos de Harry Potter e Draco Malfoy, respectivamente, que pretendem voltar atrás no tempo, utilizando um Time Turner, para salvar o Cedric Diggory, que tinha sido morto pelo Lord Voldmort, durante o Torneio dos Três Feiticeiros. O problema é que o facto de o salvarem terá consequências graves no futuro, tantos para eles como para aqueles que os rodeiam: personagens que conhecemos e adoramos morrem ou sobrevivem (depende da perspectiva) e outros nem chegam a nascer. Os cenários alternativos são definitivamente péssimos e eu odiaria que se tornassem realidade, mas, por outro lado, achei que tem uma certa piada vermos o outro lado da moeda.




A minha opinião final sobre o livro é definitivamente positiva. Adorei lê-lo e acho que o facto de estar escrito como texto dramático não atrapalha em nada a leitura e a descrição dos cenários ou das personagens, muito pelo contrário só enriquece a experiência. Uma das minhas coisas favoritas foi ver um Potter em Slytherin, especialmente um que se torna melhor amigo de um Malfoy, pois sempre achei que essa era uma dinâmica interessante. Algo que depois também vemos com a relação entre o Harry e o Draco a evoluir para algo mais cordial e amistoso. Juro que sempre senti que o Draco e o Harry poderiam ser amigos e, com esta história, senti que estava um passo mais próxima dessa realidade. E, não sei se é o meu coração de Slytherin a falar ou não, mas acho que a minha personagem favorita em todo o livro é o Scorpius (na minha cabeça ele é super fofinho).

Espero que tenham gostado. Gostam de Harry Potter? Já leram o livro? Se sim, o que acharam? E qual é a vossa personagem preferida de todo o Wizarding World? Conseguem escolher?
Beijinhos e até à próxima.

16 de março de 2017

Wishlist | Hawkers Sunglasses (Presente de Dia do Pai)

O Dia do Pai está quase, quase a chegar e o Sol tem-se feito sentir nos últimos dias, por isso, se ainda não encontraram o presente ideal, porque não lhe oferecem uns óculos de sol novos? E, como recompensa recebem uns para vocês completamente grátis! Interessante, não? 

"Compra 1 Leva 2" é a campanha que a marca Hawkers está a promover no seu site,  e consiste em seleccionar e adicionar ao carrinho um modelo da secção "Para o Teu Pai" e, depois é só escolher um modelo da secção "Para Ti" completamente grátis, clicando em "adicionar presente". Se a promoção já é boa, o prazo alargado ainda é melhor, pois temos até ao dia 29 de março para a aproveitar.

Eu, que não tenho nenhum par de óculos da marca, mas que já tinha alguns modelos debaixo de olho, estou a pensar seriamente aproveitar a promoção. Tanto que, montei uma pequena wishlist que resolvi partilhar com vocês (quem sabe não vos inspiro a fazerem o mesmo?).


E vocês, o que acham dos óculos de sol deles? Qual é o vosso modelo preferido? 
Beijinhos e até à próxima

12 de março de 2017

Os Tweets... do Lin-Manuel Miranda

Twitter foi a segunda rede social à qual aderi, já lá vão quase seis anos, mas nunca fui muito presente nela, até este ano decidir que tinha que me dedicar um bocadinho. Deste então, tento deixar algum momento do meu dia por lá e não sido sido mal sucedida. 

Mas, aquilo que me faz realmente abrir a aplicação todos os dias, são os tweets do senhor Miranda, especialmente os de bons dias e de boas noites. Caso não saibam, o Lin-Manuel é o criador dos musicais In The Heights e Hamilton: An American Musical (do qual falei aqui) e da banda sonora de Moana (Vaiana) e é também viciado no Twitter, onde volta e meia está a dialogar com os fãs ou a partilhar conversas com a mulher. 

Portanto, hoje venho mostrar-vos alguns dos meus tweets preferidos dele, aos quais faço screenshot assim que leio. 














Sei que o post ficou longo, mas, mesmo assim, espero que tenham gostado e que tenham achado engraçado e/ou fofo, a forma como ele se esforça para que os tweets tenham significado. Agora, gostava de saber, qual é a conta do Twitter que gostam de seguir pela qualidade de tweets? Eu já tenho outra em mente para vos mostrar, mas gostava de conhecer mais.
Beijinhos e até à próxima.

9 de março de 2017

Mulheres Que Me Inspiram #InternationalWomensDay

O Dia Internacional das Mulheres foi ontem, por isso hoje, e com a impossibilidade de o ter feito ontem, venho aqui deixar o meu post comemorativo, no qual vou falar de quatro mulheres que me inspiram no dia-a-dia. 

Não sei vocês mas eu sinto que nós mulheres temos que estar sempre a lutar. Lutar pelo direito ao voto, pelo direito à liberdade, contra o sexismo, por salários justos, pelo direito à educação, etc. Nós somos esposas, mães, filhas, amigas, donas de casa e CEO's de empresas, mas acima de tudo somos Mulheres e fazemos o mundo funcionar (mesmo que os homens pensem o contrário).

Portanto, eu poderia vir aqui e deixar-vos uma lista com 100 mulheres que me inspiram, que não iria ser suficiente, porque as mulheres de que vos falo hoje são apenas a ponta do icebergue do meu mar de inspiração feminina. 

A Minha Mãe

Deus me livre, de fazer um post destes e não incluir a pessoa que me trouxe ao mundo - a minha querida mãe! Dizem que quem tem mãe tem tudo e eu não podia concordar mais. A minha mãe é a minha melhor amiga e provavelmente a pessoa mais simples que conheço. É uma guerreira e está sempre lá para me apoiar ou para me ouvir (ou fingir que ouve), mesmo quando está acordada à mais de 24h. Ela inspira-me porque é a prova viva de que as mães são Super Mulheres sem disfarce.

Ellen Degeneres

A Ellen é genuína, divertida, adora dançar e ajudar os outros a realizarem sonhos. Estas são algumas das razões que me levam a ver o programa dela todos os dias e a olhar para ela como uma inspiração. Ela tem uma plataforma e usa-a para ajudar os outros, quer seja com dinheiro, carros, viagens ou simplesmente por todos os dias "aparecer" em nossa casa com um sorriso na cara e uma ou duas piadas que animam qualquer um.  

Michelle Obama

Educação é a coisa mais importante que podemos receber e esta sempre foi a plataforma principal da ex-Primeira Dama dos Estados Unidos, lutar pela educação dos jovens e principalmente das mulheres. Ela, que foi apenas a terceira primeira dama a ter uma pós-graduação, depois de Hillary Clinton e Laura Bush, tornou-se uma inspiração na minha vida quando eu comecei realmente a prestar atenção aos seus discursos. Neste momento, tenho dezenas de frases dela, que me inspiram, no meu computador. Hoje mostro-vos uma das minhas preferidas.
Tradução livre: "Não há nenhum rapaz nesta idade que seja bonito ou interessante o suficiente para te impedir de obteres a tua educação. Se eu estivesse preocupada com quem gostava de mim ou pensava que era bonita quando era da vossa idade, não estaria casada com o Presidente dos Estados Unidos"


Emma Watson

A atriz, que será sempre a Hermione Granger, trouxe a palavra Feminismo à actualidade, enquanto embaixadora da ONU, e iniciou o movimento HeForShe. Feminismo é um movimento que tem como objetivo a obtenção de direitos iguais para homens e mulheres e o empoderamento feminino, através da libertação de padrões opressores. E é por isso que ela me inspira, porque aos 24 anos ela foi à ONU falar sobre a forma como as mulheres têm que lutar todos os dias para não serem objetificadas e serem vistas com igualdade e desde então nunca mais parou. Até criou um clube do livro, do qual faço parte, onde se fala sobre livros feministas e é vista várias vezes a espalhar este livros pelo mundo. Para vos inspirar também deixo aqui o discurso dela nas Nações Unidas.


Espero que tenham gostado de conhecer quatro das muitas mulheres que me inspiram. E a vocês, quem vos inspira?
Beijinhos e até à próxima.

6 de março de 2017

Às vezes...

Às vezes um sorriso não é suficiente.
Às vezes um abraço não é suficiente.
Às vezes um ombro amigo não é suficiente.

Às vezes desabafar não é suficiente.
Às vezes ignorar não é suficiente.
Às vezes chorar não é suficiente.

Às vezes planear não é suficiente.
Às vezes olhar não é suficiente.
Às vezes viajar não é suficiente.

Às vezes descansar não é suficiente.
Às vezes pensar não é suficiente.
Às vezes respeitar não é suficiente.

Às vezes conhecer não é suficiente.
Às vezes ler não é suficiente.
Às vezes ouvir não é suficiente.

Às vezes ter vontade não é suficiente. 
Às vezes dar o nosso melhor não é suficiente.
Às vezes...

*****************************

Não sei se lhe chame poema ou não, mas este é um texto que está na minha cabeça à semanas e achei que, se era para lhe dar vida, o devia fazer neste meu cantinho. Este é o tipo de conteúdo que gostava de fazer mais vezes, mas a maioria destes textos apenas me aparecem na cabeça uma vez e quando os vou para escrever já não me lembro de nada. Com este foi diferente e não sei porquê. 
E, vocês o que acharam deste meu aglomerado de palavras? Devo continuar a partilhá-los ou não?
Beijinhos e até à próxima.

1 de março de 2017

Os Meus Preferidos... Fevereiro 2017

Fevereiro é provavelmente o mês que menos gosto do ano. Não gosto do Carnaval, não gosto que seja mais curto e não gosto da quebra de produtividade que sinto e tenho enquanto o mês não passa (a prova disso foi a falta de conteúdo). Mesmo assim e apesar de tudo, tenho alguns favoritos para partilhar com vocês, essencialmente de entretenimento. 

Aplicação:

Descobri a TVShow Time através da Rafaela do blog The Eyes of a Mermaid (que por acaso é a única pessoa que sigo), e, sendo eu uma verdadeira viciada em séries, resolvi experimentar. E não é que, depois de dois meses de utilização, estou rendida?! Antes utilizava a Episoder (que só está disponível para iOS), mas esta é muito mais completa. No início, aquilo que mais me fascinou, foi o facto de contabilizar o tempo que já gastei a ver séries (ou novelas, que também estão incluídas), muito por sinal e agora o que me fascina é desbloquear badges. A aplicação é gratuita e está disponível para Android, iOS e Web e juro que é a aplicação ideal para quem gosta de ver séries, especialmente para os viciados, como eu, que nunca sabem a quantas andam. Assim, consigo ver se a série foi cancelada ou renovada, marcar os episódios que já vi, acrescentar séries que pretendo ver e saber quando sai um novo episódio, tudo no mesmo sítio e com um design simples e apelativo. 

Séries:
IMDb: 7,7/10

Durante este mês consegui terminar a 4ª temporada de Grey's Anatomy e estou cada mais mais apaixonada pela série (por isso fiquem à espera de a ver mais vezes por aqui). Acho que não há ninguém que nunca tenha ouvido falar deste drama hospitalar, protagonizado pela Ellen Pompeo, no papel de Meredith Grey. A série tem já 13 temporadas, mas há várias pessoas que dizem que ficou estragada a partir da 8ª (corrijam-me se estiver enganada). Como ainda não cheguei a esse ponto, estou a adorar e as minhas personagens preferidas, por enquanto, são a Miranda Bailey e o Alex Karev.

IMDb: 8,0/10
Riverdale é o meu vício do momento, ainda só agora começou e eu já quero mais! A série é inspirada nas BD do Archie, decorre na pequena cidade de Riverdale e acompanha a vida do Archie, da Veronica, da Betty, do Jughead e amigos enquanto tentam lidar com a morte de Jason Blossom e as consequências que isso trouxe às suas vidas e à dinâmica da cidade. Já vi os cinco episódios disponíveis e aguardo ansiosamente o lançamento do sexto, no final desta semana. É uma série adolescente? Sim! Tem drama e suspense? Sim! Então tem alguns dos ingrediente mais importantes para me cativar. Além disso, marca o regresso do Cole Sprouse ao pequeno ecrã, no papel de Jughead, uma das melhores pessoas daquele grupo (senão mesmo o melhor!), pois é divertido, sarcástico e acho que a história dele é mais interessante do que se sabe, a começar pela revelação de quem é o pai dele. Ah, e tem também os abdominais do Archie (KJ Apa), que merecem mais tempo de ecrã do que já tiveram até agora, a sério!

Filmes:
IMDb: 7,0/10

Quando era nova vi o primeiro filme da triologia Jurassic Park e achei imensa piada ao facto de terem ressuscitado os dinossauros e agora que este mundo regressou através do filme Jurassic World, lançado em 2015, juntei-me ao meu irmão e assistimos aos quatro filmes rapidamente e o meu preferido foi precisamente o último. Neste filme, o parque de diversões está finalmente aberto ao público e permite que se tenha contacto com diversos tipos de dinossauros. O problema é quando a Indominus Rex, um híbrido altamente inteligente, devido ao ADN de Velociraptor, sendo o genoma base de T-Rex e que também tem ADN de lula, camaleão, sapo, etc, consegue escapar da sua cerca e começa a matar e destruir tudo à sua volta, pondo em causa a segurança do parque e das pessoas que lá estão. Tem algumas cenas que não fazem sentido, mas que tornam a história mais bonita e é por isso que perdoo a sua existência. Acho que o Chris Pratt fez um bom trabalho e terminei o filme com um carinho enorme pelo raptor Blue. Agora, resta-me esperar pela sequela.

IMDb: 6,3/10

Depois de tanta ficção científica, fomos para o mundo da animação e decidimos ver Sausage Party, que resultou noutro favorito. Criado por Seth Rogen, é um filme de animação, com toques de comédia, aventura e muito humor negro, ou seja, é o filme de animação dos adultos. Tudo se passa num supermercado, onde os alimentos e produtos estão felizes e contentes por serem escolhidos pelos humanos e levados para o Grande Além, não sabendo o que realmente lhes acontece quando chegam a casa dos humanos. Mas, tudo muda, quando um frasco de mostarda é devolvido, e começa a revelar como é realmente a vida depois de se sair do supermercado e assusta toda a gente, provocando uma enorme confusão. Não vou dizer muito mais porque tenho medo de me entusiasmar e fazer spoiler para quem ainda não tenha visto, mas se ainda não o fizeram, vejam o filme, porque realmente vale a pena.

Momentos:

O dia 14 de Fevereiro ficará para sempre gravado na minha memória, não por ser dia de S. Valentim, mas por ter sido o dia em que tirei a carta de condução, passando no exame prático. Esta foi uma jornada longa, mas que valeu a pena e, apesar de eu continuar a não gostar muito de estar ao comando do carro, era algo que eu precisava de fazer e, realmente fiquei bastante feliz e aliviada por o ter conseguido fazer à primeira.

No último fim de semana do mês, decorreu a cerimónia de entrega de prémios da Academia, mais conhecida como Óscares e entre toda a crítica política, a fantástica apresentação do Jimmy Kimmel e o engano na entrega da estatueta ao melhor filme, tenho alguns momentos preferidos. Entre eles estão: o discurso da Viola Davis após receber o Óscar de Melhor Atriz Secundária, por Fences (altura em que literalmente chorei - ela é a primeira atriz negra a ganhar um Tony, Emmy e Óscar como atriz).


A entrevista que o Lin-Manuel Miranda deu à Robin Roberts, ainda no red carpet, onde disse que não queria pensar que se ganhasse seria a pessoa mais nova a ganhar Grammys, Tonys, Emmys e um Oscar, que acabou por perder para La La Land, com muita pena minha (ele também tem um Pulitzer), além de que a mãe dele é uma fofa. E, por fim, a performance da música por que estava nomeado, How Far I'll Go, do filme Moana, interpretada por ele e para fofa Auli'l Cravahlo, gosto especialmente da cara que ela faz de determinação, alegria e orgulho, quando começa a cantar o refrão.


Espero que tenham gostado. Gostam de fevereiro? Quais foram os vossos favoritos?
Beijinhos e até à próxima.