27 de julho de 2015

MocaGoesTo... Londres #1 (Dia 24/6)

Este foi um dia que começou muito cedo e acabou bastante tarde (pelo menos para mim que fui a única do grupo que não dormiu em nenhum comboio, ou seja, acordei à 1h30 e deitei-me perto da meia noite). Chegámos ao aeroporto às 4h e descolámos às 6h50 com destino ao aeroporto de Gatwick, onde chegámos por volta das 9h.

Vista à chegada a Gatwick








E, ao contrário dos outros turistas, que vão logo para Londres, nós seguimos em direção à magnífica cidade de Bath Spa. Para tal, apanhámos um comboio em direção a Reading e depois trocámos para um em direção a Bristol Temple Meads. No total a viagem foi de duas horas e meia e juro por Deus que o interior de Inglaterra parece uma quinta gigante onde de vez em quando colocam casas exatamente iguais umas às outras. Por onde quer que se olhasse só se viam campos verdejantes e animais a pastar.


Interior da Igreja de St. John

Chegámos a Bath Spa às 12h30 e depois de termos comprado o almoço e almoçado num pequeno jardim, partimos á descoberta da cidade que, sinceramente, parece saída de um filme de época.
Por lá, visitámos a igreja de St. John (mais antiga igreja católica de Bath), as termas romanas, e fizemos uma caminhada monumental sempre a subir até ao Royal Crescent. Ainda pensámos em visitar também a Abadia de Bath, mas decidimos que ver por fora era bom o suficiente. Detalhe: esquecemo-nos de deixar as malas na estação de comboio, portanto andámos como loucos pela cidade carregando os nosso troleys onde quer que fôssemos.


Estátua viva na praça em frente à Abadia e às Termas
Nascente da água das Termas Romanas


Banho Grande das Termas Romanas

Royal Crescent


Em frente ao Royal Crescent existe um parque enorme no qual parámos para descansar e lanchar e só não ficámos mais tempo porque a chuva ameaçou cair. Portanto, dirigimo-nos à estação de comboio e durante o caminho ainda passámos pelo Jane Austen Center.

Já a caminho de Londres vimos mais campos verdejantes e mais casas extremamente iguais, umas ao lado das outras e, quando duas horas depois chegámos à estação de Paddington, já todos clamava-mos por uma cama, de tão cansados que estávamos. Na estação existe uma loja dedicada ao urso Paddington e um banco/estátua com ele para que se possa tirar uma fotografia (esse banco ficava do lado oposto ao da plataforma onde estava e ninguém quis ir comigo portanto fiquei sem uma fotografia com o Paddington e bastante triste.

Na estação fizemos os nosso Oyster cards e depois apanhámos o metro até Old Street onde ficava o nosso hotel, o Holiday Inn Express. Como é obvio quando cheguei ao quarto apenas comi qualquer coisa, desfiz a mala e fui dormir.

Espero que tenham gostado deste meu primeiro dia.
Beijinhos e até à próxima.

P.S.: Peço desculpa por apenas estar a publicar o primeiro diário de viagem (e os que se vão seguir) quase um mês depois da viagem, mas eu tenho problemas de organização.

6 de julho de 2015

Voltei de Londres + coisas aleatórias

A viagem chegou ao fim... E, apesar de ter vontade de continuar lá, significa que poderei começar a fazer os diários de viagem e partilhar com vocês um bocadinho daquilo que vivi durante seis incríveis e cansativos dias.
Sei que tinha dito que os diários iriam começar a sair na semana passada, mas não estou a conseguir lidar com as mais de mil fotografias que tirei (situação que irei regularizar muitíssimo brevemente). Mesmo assim vou comprometer-me a postar, no mínimo, dois diários esta semana.
Agora, e para terminar, vou apenas referir algumas coisas aleatórias nas quais reparei nestes dias que passei fora e que merecem ser escritas.

  1. É possível encontrar alguém a falar português em TODO o lado (irei desenvolver este tópico nos próximos posts)
  2. Quando estão a passear por algum parque, não se assustem com os esquilos. Aliás, levem amendoins e alimentem-nos.
  3. O metro (ou underground) é extremamente fácil de usar (segundo quem me acompanhava é mais fácil de usar que o de Lisboa).
  4. É mais provável verem um Ferrari/Porsche/Maserati/Aston Martin/Bentley na estrada do que um Seat/Fiat/Renaut.
  5. Os britânicos são extremamente prestáveis (irei desenvolver este tópico nos próximos posts).
  6. A quantidade de autocarros que anda na estrada é insana, quase tanto quanto a forma como os motoristas conduzem no meio do trânsito.
  7. Consegui não ver um único acidente rodoviário, apesar de estar sempre a ouvir e a ver ambulâncias e carros de bombeiros a andar de um lado para o outro.
  8. O Big Brother UK é mais charmoso que o português. Não me julguem mas era o que estava a dar no Channel 5 e era noite de nomeações portanto os ânimos estavam exaltados; claro que depois mudei de canal e vi um episódio de Under the Dome (série que terei de ver do início porque não entendi nada; se vêem/viram digam-se se acham que vale a pena).

Acho que por agora é só isto.
Beijinhos e até ao próximo post.